Relatório de dados consolidados do bólido no Centro-Oeste

Uso da ferramenta “relate um bólido”, mídias sociais e entrevistas permitiram traçar uma possível trajetória do evento

Esse evento já noticiado anteriormente (clique aqui), chamou a atenção de nossa equipe pela magnitude do evento nos relatos, o que demandou tempo maior para consolidação dos dados e até obter a trajetória o mais próximo possível com as observações na região.

CARACTERÍSTICAS DO METEORO

O brilho (magnitude) do meteoro chamou a atenção das testemunhas, e, a partir destas características (brilho, cores, velocidade, altitude) podemos comparar este evento com o ocorrido no dia 30 de julho de 2015, no sul do país. As testemunhas entrevistadas afirmaram que o meteoro presenciado foi muito similar ao de 2015, com uma única diferença, não havia nuvens naquela noite, o céu estava estrelado.

O meteoro relatado por testemunhas e confirmada em entrevistas foi similar ao evento 1642-2015 de 30 de julho de 2015 (Detalhes aqui)

  • DISTÂNCIA PERCORRIDA: aproximadamente o mínimo de 400km e máximo de 770km
  • DURAÇÃO: 7 a 8 segundos tempo estimando pela maioria dos relatos
  • MAGNITUDE ESTIMADA: -10
  • ALTITUDE INICIAL: 80km
  • ALTITUDE FINAL: 32km
  • VELOCIDADE OBSERVADA: estimada de 194.000Km/h (mínima) a 370.000km/h (máxima).

PERSPECTIVA DAS TESTEMUNHAS

A diferença de perspectiva sob múltiplos ângulos é um fator a ser destacado neste evento. Cada região teve uma perspectiva peculiar conforme os relatos e essa aparente discrepância se dá pelo efeito de paralaxe já anteriormente explicado no vídeo institucional da Exoss (clique aqui).

Região dos relatos e trajetória estimada do Evento 1561-2017

Perspectiva 01: Meteoro paralelo com horizonte
Perspectiva 02: Para testemunhas que presenciaram o meteoro em alta elevação (zênite), sua trajetória aparentemente perpendicular ao horizonte pôde passar a sensação de queda a alguns quilômetros adiante.

A Exoss recebeu alguns relatos em mídias sociais e através da ferramenta sobre um local onde foram ouvidos estrondos e relatos de possível queda. Não há dados que possam confirmar queda de meteorito neste evento.

Tais informações são sempre valiosas para complementar os dados obtidos e com isso determinar aproximadamente o que ocorreu. Porém é importante salientar que um evento de bólido pode confundir a testemunha dependendo do local do avistamento, já que seu ângulo de visão é distinto para o de outra pessoa localizada a dezenas ou centenas de quilômetros. Para uma testemunha “A” o meteoro pode aparentar ter tocado o solo, enquanto para uma testemunha “B” o meteoro pode simplesmente desaparecer no horizonte em alta altitude.

CIÊNCIA CIDADÃ (CITIZEN SCIENCE)

Neste trabalho de pesquisa, contamos com colaboradores que gentilmente cederam em áudio maiores detalhes do evento, bem como visitando locais em busca de imagens, relatos e eventuais constatações de possível queda de fragmentos. Destacamos dois dentre estes cidadãos cientistas que buscaram o máximo de informações possíveis, nos relatos encaminhados para nosso canal Meteorzap Exoss.

 

Marcos Andrade de Campinápolis no Mato Grosso colaborou com relato em áudio para o Meteorzap, relato na ferramenta e na coleta de dados na região.

 

 

 

Cacio Winter de Querência no Mato Grosso colaborou com áudio para o Meteorzap, relato na ferramenta bem como pôde colaborar com seus conhecimentos astronômicos com informações importantíssimas para um melhor entendimento do fenômeno, além de se empenhar em obter mais dados do evento para instituições de pesquisa.

CONCLUSÃO

A Exoss não registrou o fenômeno ocorrido no Mato Grosso e imagens da região não foram localizadas. Os relatos com inconsistências foram excluídos da nossa análise. Algumas terminologias adotadas na astronomia podem não ser conhecidas pelo público leigo, o que deve ser corrigido com a atualização da ferramenta em breve.

Desta forma foi necessário um tempo maior na pesquisa e análise por parte da Exoss, pois nosso objetivo é fornecer relatórios de eventos de bólidos com a exatidão possível (considerando as circunstâncias), especialmente quando não possuímos um registro em vídeo do fenômeno, onde a análise fica dependente exclusivamente dos relatos de testemunhas.

Os dados apresentados se baseiam nos indicadores mínimos e máximos que foram apurados. Um vídeo com a trajetória aproximada está disponível abaixo.

Em caso de novas informações ou relatos, estas poderão alterar este relatório no futuro.

A Exoss agradece todos os relatos efetuados e colaboradores que cederam seu tempo para analisar os dados do evento.

Coleta de Dados, Texto e Simulações 3D: Amanda Martins, Luciana Fontes, Eduardo P. Santiago
Meteorzap e colaboração externa: Marcos Andrade e Cacio Winter
Referências: American Meteor Society data base / Exoss Citizen Science

Comentários

Comentários

Powered by Facebook Comments

Agora você! Deixe um comentário sobre este post.

%d blogueiros gostam disto: