Lançamento do foguete chinês avistado no Brasil

No início da noite de segunda-feira, dia 23 de novembro, vários populares relataram ter observado um fenômeno luminoso nos céus do nordeste, incluindo os estados do Ceará, Piauí, Bahia, Pernambuco e Alagoas.

Algumas pessoas compararam o fenômeno a um cometa, outros pensaram ainda ser um asteroide. Mas o evento foi a decolagem do foguete chinês Long March 5 da missão Chang’e 5. Nas imagens podemos ver uma névoa na frente do foguete, que é a Pluma de gases gerada a partir da queima de combustível de um dos estágios do veículo de lançamento lançado a partir da China e que segue rumo à Lua.

A ferramenta Reporte um Bólido recebeu 11 relatos  com imagens do avistamento do foguete. Embora o evento seja de um objeto terrestre, percebemos que as pessoas compreenderam a importância de relatar os eventos luminosos avistados para que as pesquisas sejam feitas corretamente, para informar a população de maneira adequada.

Airton Santiago fez o registro do foguete a partir da cidade de Itacuruba, cidade do sertão pernambucano. Airton, que é técnico do Observatório Astronômico do Sertão de Itaparica (OASI), contatou os astrônomos do Observatório Nacional que realizam observações remotas no OASI, que explicaram o fenômeno visto no céu e, também, os objetivos da missão espacial chinesa que foram repassadas para os moradores da pequena cidade. Instalado no município de Itacuruba (PE) a partir do projeto de Iniciativa de Mapeamento e Pesquisa de Asteroides nas Cercanias da Terra no Observatório Nacional (IMPACTON), o (OASI) é um observatório astronômico dedicado à pesquisa de pequenos corpos do Sistema Solar, contribuindo para a caracterização física de asteroides em órbitas próximas da Terra.

Filipe Monteiro, pesquisador do Observatório Nacional, disse que a Chang’e 5 será a primeira missão de retorno de amostras da China, e que esta será a primeira oportunidade que os cientistas terão para estudar o material lunar, desde as missões Apollo das décadas de 1960 e 1970. Segundo o pesquisador, a coleta de amostras lunares depois de tanto tempo pode trazer à tona respostas sobre a origem das moléculas de água recentemente descobertas na superfície da Lua.

Video: Francklyn Souza – Ceará

Video: Sara Emi Ferreira – Bahia

O Long March 5 foi lançado com a massa de 8200kg, e sua missão tem como objetivo a coleta de amostras do solo lunar. Na Lua, os equipamentos a bordo irão coletar amostras a até dois metros de profundidade do solo, além das presentes na superfície, totalizando 2kg em material. Este será acondicionado em uma cápsula de retorno, que tem previsão de retornar à Terra entre os dias 16 e 17 de dezembro, pousando na Mongólia.

Elementos orbitais aproximado de 4 a 5 dias. O plano orbital é baseado na localização e nas temporizações da trilha no solo da transmissão ao vivo da CGTN. Fonte: Cees Bassa

A estação terrestre Kourou na Guiana Francesa rastreará a Change5 por várias horas após o lançamento, determinando exatamente onde a espaçonave está para estabelecer links de comunicação e verificar o funcionamento da nova missão.

Edição: Warley Souza

Comentários

Comentários

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *