Como localizar satélites e flares Iridium

Este post é parte do evento Semana Mundial do Espaço 2016. #WSW16Acompanhe as atividades da EXOSS através de nosso site live.exoss.org e em nossas mídias sociais.world-space-week-2016

Satélites são objetos feitos pelo homem que circundam a Terra.

Sabemos que ao redor de nosso planeta orbitam inúmeros satélites artificiais e que hoje são essenciais para a vida moderna, possibilitando a divulgação de informações, monitorando o clima e o meio ambiente, dando condições a comunicação imediata entre as pessoas, informando a nossa localização e muito mais. Como localizá-los no céu noturno? Como registrar em fotografia sua passagem?

Dentre todos esses corpos artificiais no espaço próximo os 90 satélites da série Iridium são particularmente interessantes, pois apresentam três antenas planas inclinadas e extremamente polidas. Em certas condições, essas antenas refletem a luz solar e apresentam ao observador terrestre um breve espetáculo com brilhos muito intensos e de curta duração (flashes).

Para saber se é possível visualizar um satélite artificial no local onde você se encontra, utilizamos softwares como o Stellarium e o ISS Detector, entre outros.

maxresdefault

No Stellarium, como primeiro passo, verifique se todos os dados dos satélites estão atualizados, para isso, proceda da seguinte forma:

  1. Com o Stellarium aberto, pressione F2,
  2. depois vá à aba “Complementos”,
  3. do lado esquerdo na lista ache o item “Satélites”.
  4. Verifique se a caixa “carregar ao iniciar” está marcada, se não estiver marque.
  5. Clique em seguida no botão “Configurar”, na aba “Satélites” na caixa de seleção a esquerda em cima, selecione “Todos” e
  6. depois clique no botão “+” à esquerda em baixo e aguarde o a baixa dos dados.
  7. Depois é só ir à aba “Configurações” e clicar no botão “Atualizar agora”.
  8. Pronto!! Feche e abra novamente o Stellarium.

Supondo que todas as configurações do seu local estejam corretas, estamos prontos para tentar localizar um satélite.

Devemos lembrar que existem duas condições visuais para um satélite, visível e eclipsado, uma como o próprio nome diz está visível e pode ser observado a olho nú, usando instrumentos e registrando em fotografia, a outra o satélite não é visível, pois esta passando pela sobra que a Terra projeta no espaço devido ao Sol e é por isso também que existem horários em que a observação dos satélites é mais fácil, normalmente nas primeiras horas da noite e algumas horas antes do amanhecer.

Você pode utilizar a ferramenta de busca do Stellarium (F3) e digitar o nome do satélite e então ver sua localização naquele momento e acelerando o tempo, ver qual será sua posição futura e se irá passar sobre você.

Uma maneira muito prática é na tela principal do Stellarium e configurar um FOV (campo de visão) de mais ou menos 60º (pode usar o atalho Ctrl+Alt+3). Aponte para a região do céu visível de onde você está e acelere o tempo um pouco apertando a tecla “L” um ou duas vezes. Na tela você verá pontos se deslocando rapidamente em direções que não acompanham o deslocamento das estrelas. Quando visualizar um objeto desses, aperte a tecla “J” uma vez para desacelerar o tempo e selecione o objeto. Você verá que se trata de um satélite. Veja as duas fotos abaixo com intervalo de 1 minuto entre elas.

stellarium

stellarium-2

Observe o deslocamento do satélite espião “Cosmos”.  Ao selecionar o objeto, o Stellarium mostra diversas informações sobre o mesmo do lado esquerdo da tela, sendo uma informação importante, mas que infelizmente não está disponível para todos os satélites, é a magnitude aproximada. Esta é a informação de quanto brilhante estará o objeto e quanto mais fácil será sua visualização.

Este método se mostra mais prático, pois mostra os satélites visíveis na sua região independente de qualquer outra informação. Assim você pode observar ou registra a passagem do objeto que estiver disponível naquela oportunidade.

Apresentarei no final alguma informações sobre o registro em si. Mas agora vamos falar do outro software para localização dos satélites, o ISS Detector. Este aplicativo para Smartphones e Tablets informa a localização dos satélites e mostra em quanto tempo estarão visíveis no seu ponto de observação. Na versão gratuita, o ISS Detector disponibiliza as informações dos satélites Iridium e da Estação Espacial Internacional (ISS), informando o momento do inicio e final da visualização, o brilho, além de mostrar um radar para facilitar a localização. Ele disponibiliza também um pequeno mapa celeste para que você possa se orientar pelas constelações.

Ele funciona da seguinte forma: Ao abrir o aplicativo, ele mostra uma tabela com os objetos que estarão visíveis em ordem cronológica, nesta tela também são informados os horários do evento (flare ou período de visibilidade), a magnitude, elevação, e situação do céu. A maioria das informações são passadas através de gráficos e desenhos, conforme a figura a seguir.

app-iss-detector

Selecionando um dos itens, você passa para uma tela que é um radar, que irá lhe mostrar a direção, a trajetória, tempo até o evento, bem como os dados do clarão (flare).

iridium-39

A barra cinza na lateral esquerda serve para você apontar o aparelho para o local onde ocorrerá o clarão. O círculo a direita no alto acessa o mapa celeste, que lhe fornecerá orientação pelas estrelas e constelações.

iridium-39-2-2

É mostrado também a trajetória e sentido de movimento.

Existe mais uma tela de informações mais detalhadas sobre o objeto.

iridium-39-3-3

Onde também é possível ampliar o mapa para visualizar a posição atual do objeto.

iridium-4-4

O aplicativo apresenta ainda vários recursos, sendo um bastante interessante que é a configuração de um alerta sonoro para avisar da aproximação do horário de um evento visível. Você pode ainda adquirir (pago) vários complementos (extensões), ampliando a gama de objetos detectados.

Agora que a localização dos satélites não é mais um mistério, vamos ver como podemos realizar o registro de sua passagem no céu. Para isso precisamos de câmeras fotográficas com algumas características mínimas, como um tempo de exposição de pelo menos 30s e ajuste de sensibilidade que chegue até ISO400 ou mais, existem muitas câmeras compactas que atendem as esses requisitos, até mesmo alguns Smartphones conseguem dar conta do recado, mas o ideal são as DSLRs. Será imprescindível também a utilização de um tripé ou dispositivo que mantenha a câmera imóvel enquanto estiver registrando a foto.

É importante experimentar previamente algumas fotos para que no momento de registro do satélite a câmera já esteja ajustada. Desse modo aponte a câmera para a região do céu na qual se verificou através dos softwares que teremos a passagem de um objeto, de forma que se tenha tempo para a realização dos ajustes. Tire quantas fotos forem necessárias para que se obtenha o melhor ajuste possível da câmera. Tente usar o maior tempo possível de exposição e vá ajustando o ISO. Quando as estrelas forem visíveis na foto sem que o fundo fique claro, provavelmente o ajuste já será suficiente para o registro.

Quando estiver aproximando do horário previsto, principalmente no caso dos flares dos Iridium, faça registros em sequência, um a pós o outro sem intervalos, pois a chance de se perder a captura é grande. Os resultados podem ser conferidos com calma depois da seção.

Agora é só colocar a mão na massa e com muita paciência aguardar o momento certo para dar o click.

Alguns registros:

iss-17-09-2016-iso200-30sISS – 17/09/2016 – ISO200 – 30s

registro-de-flare-iridium-foto-da-internetRegistro de Flare Iridium

Boas observações!

Edição: Robert Magno

Comentários

Comentários

Powered by Facebook Comments

Gostou deste post? Ficaremos felizes com seu comentário