Relatório de dados consolidados do Meteoro da Bahia

DADOS OBTIDOS PELA FERRAMENTA RELATE UM BÓLIDO E AS COLETADAS PELA EXOSS DISPONÍVEIS AO PÚBLICO

Desde o dia 27 de março o projeto Exoss, através de seu grupo de trabalho, consolidou relatos e levantamentos de dados para integrar o relatório referente ao meteoro avistado em várias cidades da Bahia no dia 26 de Março. Foram muitas horas de empenho na complicada tarefa de localizar pessoas, entrevistá-las, incentivando-as a fornecer maiores detalhes, relatando o fenômeno através da ferramenta pública bolido.exoss.org.

 

TESTEMUNHAS

Através do trabalho de coleta de relatos, foi-nos possível contactar testemunhas. A seguir o relato de algumas delas:

Denis Diniz é Engenheiro Químico e enviou áudio descrevendo o evento. Ele não presenciou o fenômeno porém nos forneceu informações muito importantes e imagens que colaboraram para a criação de um relato na ferramenta, possibilitando assim através dos detalhes fornecidos dados para o estudo do fenômeno.

O relato com base nos dados fornecidos encontra-se disponível na ferramenta relate um bólido para download.

Juliana Maia é Psicoterapeuta e presenciou o meteoro de um ângulo privilegiado, ela nos enviou um áudio descrevendo o meteoro.

Seu relato encontra-se disponível na ferramenta relate um bólido, para download.

 

Dírley Valois é Advogado e contou a Exoss o que presenciou.

“Foi por volta de 06:50 da manhã.                       

Eu moro no bairro da Pituba e estava saindo para fazer cooper como de costume de todos os domingos.                       

Eu ouvi um estrondo muito forte, mas muito forte. Parecia um edifício desabando. E quando cheguei na orla, tinha várias pessoas comentando e todas assustadas com o que viram. Diziam que se tratava de uma bola de fogo, seguida por fumaça; que explodiu no céu provocando tremores nos seus apartamentos, batendo janelas e derrubando objetos.”

Eduardo Seixas do Nascimento é analista de sistemas e além de efetuar o relato pelo site também forneceu maiores detalhes através do nosso canal Meteorzap.

“O avistamento foi simples.

Claro chamou muito a minha atenção no momento do avistamento Não é algo que se vê sempre.

O céu estava bastante limpo e o bólido cruzou o céu em um único risco.Notei que houveram algumas intensificações de luz em seu breve trajeto visível. Logo imediatamente ficou apenas o rastro de fumaça.                

Quando cheguei em salvador, vi comentários sobre tremores de terra na capital e em algumas cidades metropolitanas, justamente no horário que vi o objeto. Foi aí que liguei os fatos. Onde eu estava não percebi nenhum abalo, tremor ou ouvi explosões.”

Seu relato encontra-se disponível na ferramenta relate um bólido, para download.

 

 Ambrósio Rodrigues Neto estava em São Felipe Bahia e forneceu a Exoss detalhes importantes sobre o meteoro; sua imagem também é de grande importância devido ao seu posicionamento geográfico que permite traçar uma trajetória do meteoro em frente ao sol quando ainda estava amanhecendo.

“Foi muito rápido. Estava sentado conversando no celular e ele passou atravessando o sol, sua duração foi de uns 2 segundos e então ele foi ofuscado pelo sol; após quase 2 minutos ouvi uma grande explosão.”

O relato com base nos dados fornecidos encontra-se disponível na ferramenta relate um bólido para download.

Pedro Ros enviou o seguinte relato via Observatório Nacional:

Sei que estou meio atrasado no assunto, estava de férias em Ilhéus e acabei de retornar à minha casa agora, e gostaria de reenviar um testemunho que enviei ao site G1 há alguns dias. Peguei o nome/contato de vcs em notícias mais recentes do meteoro de Salvador. Achei relevante enviar meu testemunho pois por mais que não agregue muito por ser um assunto já “velho”, acho interessante compartilhar devido à distância que estávamos do meteoro (aprox 180km ao sul em linha reta do centro de Salvador, medido pelo Google Maps), eu nem imaginava ser possível enxergar um meteoro dessa distância. Sou de SP, estou em férias na região de Ilhéus (Bahia), e no domingo passado pela manhã estávamos indo de Ilhéus para uma feira livre em Serra Grande (sentido Norte) pela BA-001, quando vimos (eu e meu pai, que estava dirigindo) um meteoro aparentemente grande caindo, fez um risco de fumaça (que se dissipou em uns 2 minutos), e durante a queda fez uma bola de fogo, como um meteoroEu nunca tinha visto um meteoro ao vivo, então até fiquei na dúvida do que era e procurei em seguida no YouTube pra ver se era mesmo meteoro, e pareceu ser (apesar de que a grande maioria dos vídeos que achei eram de noite). Não demos muita importância ao fato no dia, mas comentando sobre o meteoro que vimos hoje (hoje = 3a ou 4a-feira passada) com um local daqui da região de Ilhéus/Itabuna ele nos perguntou se não temos acompanhado as notícias, que está todo mundo falando sobre um tremor de terra em Salvador, etc, e realmente não estamos acompanhando o noticiário pois estamos de férias, e não sabíamos do fato. E procurando sobre o tremor, foi exatamente no mesmo horário que estávamos indo para a feira (em torno de 6:50AM), e sendo em Salvador o “tremor”, a direção bate exatamente com a que estávamos indo (sentido Norte, e o meteoro foi vertical e bem na direção reta que seguíamos com o carro). Estou mandando esta mensagem só para dar mais informações caso ainda estejam “investigando” o ocorrido. Certamente foi o meteoro avistado, seria muita coincidência não ser. Infelizmente não pegamos em vídeo. Foi tão rápido que nem a passageira que estava no banco de trás do carro conseguiu ver (ela viu apenas a fumaça que ficou). Durou em torno de uns 4s o fogo e já apagou (ainda muito longe de tocar o chão). Eu vi boa parte do fogo pois avistei logo que apareceu, aí avisei o motorista que conseguiu ver apenas o finzinho do fogo, mas o passageiro do banco de trás não conseguiu ver, apenas a fumaça. Depois ficou a fumaça com o trajeto aparentemente pequeno por uns 1 ou 2 minutos e logo já dissipou. Se tiver mais alguma informação que posso dar que seja relevante fico à disposição (ex: posição onde estávamos no mapa, trajeto no céu do meteoro enquanto com fogo, etc).

DADOS OBTIDOS

A Exoss coletou 20 relatos através dos perfis de redes sociais onde pessoas relataram o avistamento e/ou estrondo em diversas cidades; tais relatos possuem o mínimo de informação para que se dê início a um traçado complementar do evento, tais relatos estão em uma planilha armazenada pela Exoss e poderá ser disponibilizada para instituições que solicitarem por email.

Com o auxílio da ferramenta relate um bólido foi possível a obtenção de parâmetros que podem auxíliar em estudos futuros. Enfatizamos que os dados são obtidos através da intersecção dos campos de visualizações relatados na ferramenta; esta pode ou não estar com critérios adequados quanto a sua qualificação. Portanto, quanto maior o número de relatos, menor a margem de erro obtida. Este evento, dada a dificuldade em obtenção de mais relatos, carece de maiores fontes coletadas por instituições, in loco, preferencialmente.

Relatos coletados na ferramenta nos últimos dias
Mapa de densidade de relatos

Salvador e região foi o local com maior número de relatos

Cidades próximas a trajetória do meteoro

Área da trajetória conta com grande densidade populacional porém o fator horário prejudicou as coletas de maiores informações

Plotagem tridimensional da possível trajetória do meteoro – Perspectiva 1
Plotagem tridimensional da possível trajetória do meteoro – Perspectiva 2

Os seguintes dados foram obtidos através dos relatos inseridos na ferramenta relate um bólido.

  •  Ângulo aproximado de entrada: 40º
  • Distância percorrida (relativo ao solo): Aproximadamente 20Km
  • Altitude inicial: 80.000 Metros (80Km)
  • Altitude final: 69.500 Metros (69,5Km)
  • Duração média: 3,5 segundos*

 As seguintes cidades estão no trajeto do ponto final de visibilidade do rastro do meteoro até o seu possível ponto de impacto geométrico*: Pojuca, Araças, Entre Rios, Acajutiva e Rio Real.

Não é possível uma precisão quanto a um possível local de eventual impacto; os dados são insuficientes para isso. Os resultados aqui apresentados são indicativos para que instituições de pesquisa possam iniciar uma tentativa de recuperação de material.

É importante salientar que não se pode afirmar se houve real queda de meteorito, apenas as circunstâncias apontam para um típico caso de meteoro-mãe (“dropping meteor”), ou seja, um bólido (ou super bólido) que descarrega seus restos materiais em solo.

* Impacto Geométrico é uma prolongação da trajetória estimada sem considerar direção dos ventos, massa inicial, massa final, e velocidades.

DESAFIOS

O maior desafio foi agregar o máximo possível de relatos na ferramenta relate um bólido devido o meteoro entrar na atmosfera terrestre em uma manhã de domingo. O dia de “Domingo” foi decisivo para que um número menor de pessoas presenciassem o evento pois grande parte das pessoas estavam dormindo. Acreditamos que se o evento ocorresse em um dia útil da semana essa quantidade de relatos seria maior.

Independente desses fatores que dificultaram, mas não impediram a atuação da equipe do projeto Exoss, foi possível realizar um bom trabalho de coleta de dados; consideramos portanto o balanço do evento positivo.

O uso da ferramenta ainda não é conhecido pela maioria das pessoas e o projeto Exoss trabalha continuamente para que esse quadro se inverta. Portanto consideramos que para um primeiro evento de meteoro DIURNO (“DAYLIGHT”) os dados obtidos só tem a agregar para a pesquisa nacional de meteoros.

CORRIDA PELA RECOMPENSA

Com a notícia do evento circulando em diversos canais de rádios, televisão e mídias on-line pode-se observar uma corrida por uma possível recompensa. Se por um lado isso pode ser favorável pois se movimenta um volume alto de pessoas em um curto espaço de tempo a procura de qualquer material remanescente; de outro lado fomenta uma corrida por uma recompensa que inibe a atuação de Instituições de Ensino e Pesquisa. A Exoss endossa que as pessoas devem ser estimuladas a colaborar sob uma filosofia de Ciência Cidadã. É muito comum tais materiais quando recuperados em quase sua totalidade irem para o exterior para venda/colecionadores, enquanto no Brasil; um país territorialmente grande, possuí uma taxa muito aquém em termos de recuperação de meteoritos e disponibilização para estudos no país. É preciso rever o conceito de “ajuda com benefícios”, formalizando uma metodologia para essa colaboração de forma transparente e adequada.

CIÊNCIA CIDADÃ

Este foi o primeiro evento diurno de muitos (esperamos) em que o projeto Exoss novamente conduziu uma extensa coleta de dados e relatos através do estímulo ao uso da ferramenta. Foram dezenas de horas de coletas e discussões em grupo para que tais dados pudessem ser disponibilizados. No total 5 integrantes desde o dia 27 estão neste trabalho de finalização dos dados.

Graças a colaboração de pessoas que presenciaram ou não o evento propriamente dito foi possível coletar detalhes muito importantes que poderão ajudar eventuais instituições que se mostrarem interessadas em se aprofundar no evento.

A Exoss agradece a colaboração de todos aqueles que relataram o fenômeno na ferramenta bolido.exoss.org bem como de forma atenciosa cederam seu tempo para responderem algumas perguntas.

O potencial de agregar pessoas que a ferramenta desenvolvida pela American Meteor Society tem é algo a ser expandido cada vez mais no país graças e esses cidadãos “cientistas”, que na hora e lugar certo podem contribuir muito para os estudos de meteoros em nosso país.

Os dados para uso no Google Earth podem ser obtidos aqui.

Outros dados obtidos pela Exoss podem ser solicitados por instituições através do email: exoss@exoss.org

 

Texto e Plotagens (Report Fireball e Google Earth): Eduardo P. Santiago

Imagens (Rastro do Meteoro): Denis Diniz, Ambrósio R. Neto e Renato Cajazeira

Coleta de dados: Amanda Martins, Johnne Oliveira e Luciana Fontes

Revisão: Marcelo De Cicco

 

Referências:
AMS Report Fireball Data Base
Exoss.org

Comentários

Comentários

Powered by Facebook Comments

Agora você! Deixe um comentário sobre este post.

%d blogueiros gostam disto: