Possível nova chuva de meteoros vindo do cometa C/2015 D4 (BORISOV)

Peter Jenniskens e Esko Lyytinen comunicaram que os rastro de poeira de 700 anos do Cometa Borisov, que recém passou pelo nosso periélio em 2014, virá de encontro à Terra em 29 julho de 2017 às 00:22 UT. cometa borisov

 

DESCOBERTA RECENTE

Descoberto em 2015, no dia  23 de fevereiro, por Gennady Borisov; o cometa C / 2015 D4 (Borisov) possui período de revolução longo. Pelos cálculos, estará de volta a parte interna do sistema solar  em aproximadamente 200 anos. Sua última aproximação ao periélio terrestre foi, portanto, em outubro de 2014,  antes de ser detectado. Sua órbita agora, está melhor definida e,  uma pesquisa recente dirigida por Peter Jenniskens e Esko Lyytinen mostra que esse objeto pode ser a fonte de uma chuva de meteoro que poderia exibir atividade neste ano, no final de julho.

Distância entre a terra e a posição do rastro de poeira do 1-rev do C / 2015 D4 (Borisov) ,em função do tempo. A disposição de 2017 é favorável devido à combinação de dois fatores: a pequena distância (0.0006 AU) do rastro e o curto intervalo de tempo após o evento do periélio do cometa. Créditos: Esko Lyytinen, Peter Jenniskens

Segundo estes estudos , em 29 de julho de 2017, em torno das  00h 22 min UT, a Terra passará muito perto da órbita do cometa e, assim, no centro dos detritos de poeira do Borivov; pois passará apenas 0.0006 AU (menos de 90 000 km) dentro da órbita do cometa.  A combinação entre esta passagem próxima com um intervalo de  tempo não muito distante da última passagem pelo periélio do cometa leva, a uma atividade em potencial de uma possível  chuva de meteoros, cujo radiante seria posicionado em (RA ~ 79 ° (05h 15min); Dec. -32 ° ).

Estes meteoroides, teriam em comum, velocidades de entrada em torno de 46 km / s. O radiante está localizado na constelação  de Columba. Esta, se agrupando perto de Cão Maior, não possuía até então, nenhuma Chuva de Meteoros como sendo seu radiante, por estar muito perto do Sol. A atividade deve ser difícil de ser detectada visualmente, mas os métodos de radioastronomia possuem melhor eficácia neste evento em  detectar e monitorar qualquer atividade no tempo previsto, se o observador estiver bem localizado e com aparelhagem correta.

Como a atividade deste novo chuveiro tem duração  muito curta (aparenta ser improvável que esta atividade exceda 2 horas), os observadores do hemisfério sul devem estar cientes de qualquer atividade em potencial neste intervalo de tempo citado acima, e uma grande oportunidade de detectar dentre muitos anos, um novo chuveiro e coletar dados sobre este.

Com informações do Seti Institute

Comentários

Comentários

Powered by Facebook Comments

Qual sua opinião sobre este post? Deixe seu comentário.