Resultados da Ferramenta Relato de Meteoros 2016 – PARTE 2

Os eventos em destaques de 2016 e a participação de cidadãos cientistas

Na primeira parte (aqui) dos resultados obtidos pela ferramenta “relato de meteoros e bólidos” vimos a contribuição do Brasil no cenário mundial, alavancando no hemisfério sul relatos para estudos de meteoros. Agora vamos analisar o cenário interno, a participação dos brasileiros; os principais eventos e o que esperar para os próximos meses.

Eventos de meteoros registrados no Brasil desde 2015

Eventos de meteoros são criados a partir de testemunhos da observação de um mesmo bólido/meteoro, os diversos relatos são agrupados em um EVENTO para que certos cálculos possam ser feitos e a obtenção de uma trajetória estimada seja realizada (Ela poderá ou não ser precisa de acordo com uma série de variáveis).

A base de dados para eventos iniciou-se partir de julho de 2015 (AZUL), embora o a curva  de 2015 apresente dados anteriores devido a relatos retroativos que são permitidos pela própria ferramenta; portando a partir deste mês de julho quando a Exoss iniciou os trabalhos de divulgação os dados começaram a ser catalogados. Sua comparação com o ano de 2016 (LARANJA) precisa ser considerado diversos fatores como clima e divulgação da ferramenta (mais propagada em 2016). A consolidação dessas informações (CINZA) se dará com o passar dos anos, quanto maior a coleta de dados melhor poderemos entender a dinâmica social de relatos de bólidos no hemisfério sul.

Eventos de meteoros com mais de 20 testemunhas no Brasil (2015 e 2016)

Um fator importante a ser considerado é a maior disseminação da cultura e interesse de observação de meteoros entre os populares do hemisfério norte, ocasionando maior taxa de visualização do que no hemisfério sul.

 

Principais eventos de 2016 acima de 20 testemunhas

Em 2016 foram registrados 3 eventos com mais de 20 testemunhas que presenciaram o fenômeno de bólidos.

EVENTOS DE DESTAQUE EM 2016

O primeiro destes eventos foi no dia 15 de abril por volta das 18:30 hora local, moradores do estado de Rondônia presenciaram um bólido que cruzou o céu da região e foi visto em diversas cidades como Alta Floresta D’Oeste, Alvorada D’Oeste, Boa Vista do Pacarana, Chupinguaia, Cacoal, Candeias do Jamari, Machadinho D’Oeste, Novo Plano, Novo Riachuelo, Pimenta Bueno, Rolim de Moura, São Felipe. A região de visualização do bólido teve um perímetro superior aos 1.470 quilômetros.

Evento 1383-2016 contou com 28 relatos de testemunhas

Cabe um destaque especial a este evento, o papel assumido pela Exoss na divulgação de relatos de meteoros, que foi recompensado, uma vez que tal evento e sua repercussão foi fator crucial para que dois novos associados iniciassem os trabalhos junto a rede na região. As estações de Ji-Paraná do associado Alysson Tomborelli e de Rolim de Moura do associado Wilson Sabino são fruto da divulgação desta ocorrência. A Exoss contou com o apoio da Rolnews na cobertura do fenômeno.

O segundo evento foi no dia 07 de julho por volta das 21:55 hs quando vários relatos de um objeto muito brilhante cruzando os céus na costa do Espírito Santo  chegaram a ferramenta bólido.exoss.org.

Evento 2345-2016 contou com 37 relatos de testemunhas

Vários jornais destacaram a ocorrência deste evento, dentre eles:

O terceiro e último evento de 2016 ocorreu dia 01/11/2016 às 21:31h hora local, por testemunhas, em Minas Gerais, situadas nas seguintes cidades: Aramirim de Açucena, Araçuari, Belo Horizonte, Belo Oriente, Cantagalo, Caratinga, Contagem, Diamantina, Divino das Laranjeiras, Divinolândia de Minas, Farias, Francisco Sá, Gouveia, Governador Valadares, Guanhães, Inimutaba, Ipatinga, Janaúba, Januária, Malacacheta, Montes Claros, Paquetá, Pompéu, Sabinópolis, Santa Efigênia, Santa Tereza, Sapucaia de Guanhães, Turmalina, Viçosa, Virginópolis e Virgolândia.

Evento 4260-2016 contou com 67 relatos de testemunhas

Este evento destaca-se para a ferramenta, pois foi o segundo de maior alcance de relatos desde seu início no país e baseado em evidências da ocorrência foi possível observar que os relatos de testemunhas podem ajudar na confirmação do que de fato aconteceu (mesmo sem registro em vídeo ou foto). Este evento mostrou que é possível sim, pessoas comuns, quando bem orientadas, oferecerem relatos suficientemente aceitáveis, para análises e estudos pertinentes.

Vários jornais destacaram a ocorrência deste evento entre eles:

A Exoss contou com o valioso apoio do Aconteceu no Vale na cobertura deste evento.

Foi possível notar, também, a adesão de grupos de astronomia e astrônomos amadores em uma divulgação discreta (ainda) da ferramenta, através de links de redirecionamento distintos ao da Exoss e a divulgação do link oficial da IMO para relatos. Este interesse repentino pelo uso da ferramenta se deu pela possibilidade de recuperação de meteoritos, pois o evento contou com estampido sônico, uma das características de possível queda de meteoritos, despertando o uso da ferramenta para  auxiliar uma eventual recuperação de material meteorítico.

A Exoss alerta que a divulgação de links na linguagem padrão Inglês não atraí o público nacional e que a sua tradução em português do Brasil, já disponível, permite um entendimento por parte de testemunhas de como elas estão contribuindo para os estudos.

O objetivo da ferramenta, vai além da recuperação de meteoritos e dados.  Ela também prioriza o disseminar do interesse pela astronomia e meteoros, em particular. Por isso a Exoss se coloca à disposição do público para orientações pertinentes quanto ao uso adequado da ferramenta em nosso país.

Em 2016 a atuação na divulgação e coleta de dados não se restringiu apenas no Brasil, um evento que ocorreu na Colômbia e Venezuela teve a participação do Exoss na divulgação da ferramenta, orientação do público e coleta dos dados. (Veja histórico aqui)

Evento 5143-2016 contou com 9 relatos de testemunhas

Foi um ano de expansão da ferramenta, e a colaboração dos associados Exoss foi muito importante para isso. Além deles a Exoss também contou com o auxílio de divulgadores científicos, o papel destes foi de tão grande importância quando dos demais.

ENTREVISTAS COM OBSERVADORES

A Exoss entrevistou Flavio Ferro professor de Geografia e que está constantemente realizando observações de meteoros, no ano de 2016 ele realizou 22 relatos na ferramenta bolido.exoss.org.

A seguir uma série de perguntas realizadas para este grande colaborador, cidadão cientista das estrelas.

Eduardo Santiago: A quanto tempo você pratica a astronomia?

Flavio Ferro: Oficialmente 10 anos.

Eduardo Santiago: Quão importante considera o acesso a essa ferramenta no Brasil, e porquê?

Flavio Ferro: Por se tratar de uma pesquisa democrática e prática e sem dúvida fascinante, o Brasil é hoje um dos países que mais utiliza a internet no mundo, porém este uso na sua maioria não é em prol da ciência nem tão pouco para conhecimento crítico político. Então esta ferramenta com sua linguagem simples e fácil, permite que qualquer um possa usufruir e contribuir de certo modo para a pesquisa no brasil e no mundo.

Eduardo Santiago: Alguma sugestão com relação a atuação da Exoss na divulgação e capacitação do público quanto ao uso da ferramenta?

Flavio Ferro: Premiar¹ com livros, calendário, etc. incentivando o público a ter prazer e gosto em observar, e assim fazer “escola” de observadores com vista desarmada² ou com equipamento.

Eduardo Santiago: Alguma outra observação?

Flavio Ferro: Sugestão talvez para a IMO… listar os relatores por país ou pelo menos aqueles que possuem acima de “tantos” relatos? Enfim, além da listagem por países que já existe, também por pessoas ou cidade.

A Exoss também entrevistou Cláudia Asevêdo, bacharel em ciências biológicas e astrônoma amadora no grupo de astronomia de Pernambuco – AstroPE.

Ela realiza atividades e palestras que ligam a Astronomia e a Ciências Biológicas.

Eduardo Santiago: Como conheceu a ferramenta de relato de meteoros?

Cláudia Asevêdo: Através do Amigo Flávio Ferro, ele sempre faz relatos de meteoros e utiliza essa ferramenta.

Eduardo Santiago: Como você descreve a experiência em relatar meteoro? Alguma dificuldade?

Cláudia Asevêdo: A experiência foi incrível, James Solon (Fundador do AstroPE), sempre me incentivou a fazer um relato(…). Já tinha observados outros meteoros na cidade mesmo com Poluição Luminosa; na chuva de meteoros Geminideas de 2013, consegui avistar 3 meteoros em um curto intervalo de tempo, porém não tinha feito o registro. Mas o meteoro do dia 14 de novembro de 2016 foi muito especial, era noite de “Super Lua” e os céus do Recife estava completamente nublado e com chuvas fortes, naquele intervalo de céu limpo, completamente sem chuvas e com o forte brilho da Lua Cheia, pude observar aquele lindo meteoro com um brilho superior ao do Planeta Vênus, me surpreendeu, não só a mim, mas a dois alunos que estavam no Pátio da Faculdade onde estávamos realizando a observação. O site é bem simples e de fácil ajuda, não tive nenhuma dificuldade para fazer o registro. Espero fazer mais registros em breve!

Eduardo Santiago: Alguma observação ou opinião a respeito da ferramenta disponibilizada no país?

Cláudia Asevêdo: A ferramenta é simples de ser usada, ela é de total ajuda para relatos e estudos, acredito que deve ser mais divulgada³.

PLANEJAMENTO 2017

Para o ano de 2017 os esforços em melhorar o patamar do país no uso da ferramenta não irão cessar. Em breve a ferramenta de relatos de meteoros contará com uma revisão da tradução do inglês; desta vez com uma experiência no uso, dinâmica de divulgação e amplo alcance da população. A Exoss otimizou a linguagem para que o entendimento de algumas terminologias fique compreensíveis a observadores, em seu primeiro contato com a ferramenta, sem prejudicar seu uso pelos mais experientes.

Mas os estudos de meteoros não ficam restritos apenas a esta ferramenta; ela como mencionado tem um objetivo bem específico; catalogar eventos de grandes proporções, coleta de dados destes eventos, disseminação da astronomia em especial os estudos de meteoros e possíveis coletas de materiais para estudos. Mas veremos no próximo artigo que há muito mais a ser feito para a devida caracterização de radiantes e suas dinâmicas. Há séculos os primeiros estudos de meteoros se iniciaram e hoje com metodologias avançadas é possível uma caracterização destes meteoros tão precisa quando com o uso de vídeo meteoros. Em breve saberemos como e de que forma isso é feito.

¹ A Exoss informa que no ano de 2016 confeccionou e distribuiu para mais de 300 instituições ligadas a astronomia o calendário de chuva de meteoros 2016; para 2017 foi veiculado apenas a versão digital. 
² A observação de meteoros com finalidade de coleta de dados será abordada em um artigo futuro incluindo alguns dados já catalogados no país por colaboradores junto a IMO e os resultados obtidos.
³ O trabalho de divulgação da Exoss é bem intenso, hoje a ferramenta de relato de bólidos é amplamente conhecida pelos astrônomos amadores/grupos de astronomia do país, sua divulgação a partir deles é uma questão interna dos mesmos.
Referências:
 imo.net
 ams database  amsmeteors.org
 bolido.exoss.org
 exoss.org

Texto e imagens: Eduardo Placido Santiago  Edição: Luciana Fontes

Revisão: Marcelo De Cicco

 

 

Comentários

Comentários

Powered by Facebook Comments

%d blogueiros gostam disto: