Primeira câmera allsky de alta definição ativada pela Exoss

PROTÓTIPO CONTA COM LENTE DE GRANDE ANGULAR PARA REGISTRO E ANÁLISE DE METEOROS E OUTROS FENÔMENOS NO CÉU DE SÃO PAULO

Terceiro protótipo do projeto EXOSSCAMHD iniciou operações em Dezembro/2018.

O projeto de câmeras de alta definição iniciado pela Exoss ainda em 2015 agora conta com uma colaboração de peso.

É que no final de Dezembro/2018 foi ativada no estado de São Paulo a sua versão com lente de grande angular, o que propiciará uma cobertura ímpar de aproximadamente 150º do céu da região.

Tecnicamente uma câmera allsky (todo o céu) deverá cobrir 360º de campo angular para receber esse nome. Entretanto há duas ressalvas: 

  • A primeira e mais importante é que uma lente com total cobertura do céu gera uma distorção extrema e prejudica a qualidade dos dados.
  • A segunda é que lentes a partir de 150º já recebem formalmente a definição de allsky por realizarem uma cobertura tão eficiente quanto sem abrir mão desta qualidade.

Será um processo longo de testes que demandará uma grande base de dados intercalados entre diferentes campos/câmeras no sentido de averiguar como os dados poderão são afetados nesta configuração de sistema/protótipo em comparação com os modelos de alta definição já adotados.

Uma lente de grande angular em um sistema digital HD é infinitamente superior aos modelos antecessores analógicos de baixa resolução que utilizam sistema de imagens NTSC, PAL e EIA.

Magnitude dos meteoros registrados entre 29/30 Dezembro, a sobreposição de imagens degrada os meteoros mais tênues

A simples adoção de um sistema operando com 1920×1080 linhas de pixels (fullHD) em comparação com um sistema 720×480 linhas de pixels (NTSC) permite a separação mais adequada de estrelas favorecendo a astrometria.

A animação gif a seguir demonstra como se separa ruído de fundo e estrelas durante o processo de análise/astrometria de um meteoro.

Meteoro magnitude 0.2 registrado pela câmera Allsky Exoss, Estrelas de diversas magnitudes e nebulosas como M42 de aproximadamente 4.0 mag visíveis nos registros.

Análises iniciais indicam a possibilidade de identificação de 120 estrelas com redução para análises de 72. Para uma lente de grande angular isso é um valor surpreendente visto que, quanto mais aberto o campo da lente menor é a representação de uma estrela na sua imagem. Sob as condições certas de luminosidade e aquisição de uma cúpula de qualidade superior, como a atual utilizada nestes testes, esses valores podem ser aperfeiçoados.

Registros realizados na noite do dia 30 de Dezembro
Registros realizados na noite do dia 31 de Dezembro

PERFEITA PARA OBSERVATÓRIOS

Observatórios por estarem em regiões de céu favorável poderão usufruir no futuro de tal tecnologia. Até lá avançaremos com os testes coletando informações e adquirindo conhecimento para empregar esse novo modelo inovador de câmera assim que possível.

Se você é empresário e quiser subsidiar* a instalação de uma estação de meteoros em uma de nossas instituições afiliadas entre em contato conosco (exoss@exoss.org).

* Pelas diretrizes básicas da rede, qualquer doação é revertida para uma instituição de ensino e pesquisa vinculada ao projeto, sendo vetada para associados pessoa física.

Edição: Eduardo P. Santiago

Comentários

Comentários

Powered by Facebook Comments

Gostou deste post? Ficaremos felizes com seu comentário