A formação de grandes crateras de meteoritos é desvendada

Cerca de 66 milhões de anos atrás, um meteorito atingiu a Terra da Península de Yucatán, no que hoje é o México. Este evento desencadeou uma extinção em massa que erradicou aproximadamente 75% de todas as espécies e encerrou a era dos dinossauros.

Como o Prof. Dr. Ulrich Riller, do Instituto de Geologia da Universidade de Hamburgo, relatou em “Nature”, a formação até então misteriosa da cratera e seu anel de pico montanhoso. O pico se eleva no meio da cratera acima do chão da cratera. No futuro, essas descobertas podem ajudar a decifrar a formação das maiores crateras do nosso sistema solar.

Muito tem sido escrito e discutido sobre a gigantesca cratera com um diâmetro de cerca de 200 quilômetros, cujo centro fica perto da cidade portuária mexicana de Chicxulub. Como a cratera gigante tomou sua forma tem sido um mistério até hoje.

Em particular, a formação de uma série circular de colinas não poderia ser explicada em detalhes. Este chamado anel de pico se eleva na cratera várias centenas de metros acima do solo raso e pode, portanto, ser encontrado em outras grandes crateras do nosso sistema solar.

O geólogo estrutural Prof. Dr. Ulrich Riller e uma equipe internacional de cientistas conseguiram agora descrever pela primeira vez o comportamento mecânico extremo das rochas no caso de um grande impacto de meteoritos.

Os pesquisadores encontraram evidências na Cratera Chicxulub como parte da Expedição 364 do Programa Internacional de Descoberta do Oceano (IODP) e do Programa Internacional Continental de Perfuração Científica (ICDP).

Há 66 milhões de anos, um meteorito de 14 km de diâmetro atingiu a Terra com uma enorme velocidade de 20.000 km / h perfurando a si própria 20 km na crosta terrestre (1). Devido ao impacto, as temperaturas de 10.000C emergiram temporariamente, derretendo e evaporando o meteorito e partes da crosta terrestre. Uma onda de choque surgiu ao moldar uma cratera de 30 km de profundidade e 100 km de largura (2). Quando a cratera desabou, a massa de rocha se comportou como uma massa viscosa, disparando para formar uma montanha de 20 km de altura (3). A massa líquida das rochas da montanha desmoronada ultrapassou as margens da cratera e se solidificou. Isso levou tanto ao cume quanto ao achatamento e alargamento da cratera (4).

Simulações de computador mostraram que crateras deste tamanho se formam em poucos minutos. Isto significa que a rocha sólida se comporta como um fluido por um curto período de tempo e solidifica muito rapidamente durante a formação de crateras.

Como a equipe de cientistas reporta na edição atual da revista “Nature”, suas pesquisas apoiam a hipótese da chamada fluidização acústica, em que a rocha se comporta como uma massa viscosa através de mudanças contemporâneas de pressão (vibrações).

Os núcleos de perfuração obtidos exibem uma variedade de zonas de rocha quebrada, que a equipe considera evidência de fluidez transitória da rocha. A equipe conseguiu transmitir os resultados em modelos numéricos, que simulam a formação exata da cratera e do anel de pico.

“Os resultados da nossa equipe de pesquisa têm conseqüências de longo alcance para entender a formação de grandes crateras de impacto em nosso sistema solar”, explica o Prof. Riller.

Fonte: Nature via Space Daily

Comentários

Comentários

Powered by Facebook Comments

Gostou deste post? Ficaremos felizes com seu comentário