classificação de Harvard-Draper

Classificação das estrelas baseada no tipo espectral proposta pelo astrônomo norte-americano Henry Draper, que trabalhava no Observatório de Harvard. Também é chamada apenas declassificação de Harvard. As principais classes espectrais são designadas pelas letras O, B, A, F, G, K e M, cada uma subdividida em dez grupos decimais, representados pelos algarismos 0 a 9 (por exemplo, B0, A1, G3, F10). Quando se usa o número 10, ele corresponde ao primeiro subtipo da letra seguinte (por exemplo, B10 corresponde a A0):

Tipo

Descrição

Temperatura
da superfície

O

  Estrelas azuis

30.000 K

B

  Estrelas branco azuladas

21.000 K

A

  Estrelas brancas

10.000 K

F

  Estrelas amarelas

7.200 K

G

  Estrelas amarelas

6.000 K

K

  Estrelas vermelhas

4.700 K

M

  Estrelas vermelhas

3.000 K

Existem outros tipos espectrais menos frequentemente, representados pelas letras W (estrelas do tipo novas), R e N (estrelas de ambos tipos espectrais são chamadas de estrelas carbonadas, porque possuem Carbono e Cianogênio), C (para representar em conjunto os tipos espectrais R e N) e S (estrelas com grande abundância de Zircônio). Algumas notações especiais (acrescentadas como sufixo) acrescentam informações sobre o espectro, representadas pelas letras minúsculas:

Informação

e

  Existência de raias de emissões

k

  Presença de raias interestelares

m

  Presença de raias metálicas

p

  Espectro peculiar

s

  Raias nítidas

n

  Raias nebulosas

À vezes acrescenta-se mais uma letra, relativa à classe de luminosidade:

Classe de luminosidade

d

  Anã (do inglês, dwarf)

g

  Gigante

c

  Supergigante

Por exemplo, o Sol é uma estrela G6, portanto, sua temperatura superficial é de cerca de 6 mil kelvin e sua cor é amarela.

Comentários

Comentários

Powered by Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *